Allo PagfácilDestaqueMáquinas

Posso passar meu cartão na minha maquininha?

As máquinas de cartão vieram para facilitar a vida de lojistas e consumidores na hora de realizar pagamentos. No entanto, há alguns limites para que o uso do leitor de cartões seja o mais saudável, seguro e garantido possível para todos os envolvidos.

Separamos aqui algumas perguntas e dicas sobre segurança, que podem te ajudar a compreender melhor sobre algumas transações que não podem ser feitas na sua máquina de cartão.

Posso passar o meu próprio cartão na minha máquina de cartão?

Passar o cartão da empresa, de representantes legais e pessoas relacionadas na máquina de cartão pode ser caracterizado como autofinanciamento ou autoempréstimo e essas práticas não são permitidas.

Embora possa ser considerado por alguns empreendedores mais simples e prático passar no leitor o cartão de crédito da empresa, de seus representantes legais ou pessoas relacionadas, essas práticas podem ser interpretadas como “empréstimos ou “financiamentos”, atividades privativas de determinadas entidades do setor financeiro e, para quem não compõe esse grupo, proibidas por órgãos reguladores, autorreguladores e também pelos termos de uso dos próprios credenciadores.

Veja abaixo quais são os motivos:

O serviço das máquinas de cartão ao empreendedor é exclusivo para venda de produtos ou serviços nos ramos de atividade para os quais estão autorizados. Condutas como passar o cartão da empresa, dos seus representantes legais e pessoas relacionadas implicam indícios de que não houve uma operação comercial que justifique a transação.

A concessão de crédito pelo emissor do cartão ao portador tem como objetivo liberar o pagamento para a compra de produtos ou serviços. Ao passar o cartão da empresa, dos seus representantes legais e pessoas relacionadas em benefício próprio pode também indicar o uso indevido do seu cartão e do crédito concedido pelo emissor.

É uma prática não permitida pelo Banco Central. Isso gera prejuízos e penalidades para os empreendedores, credenciadoras, bandeiras, ou seja, todos os envolvidos.

Permitir práticas de autofinanciamento com a máquina de cartão pode comprometer a saúde e segurança das transações e envolvidos na cadeia de pagamentos e até resultar no uso irregular do produto para golpes, fraudes no sistema e crimes, como lavagem de dinheiro, por exemplo.

O que pode acontecer:

A abordagem de cada empresa de máquinas de cartão para resolver essa situação pode mudar muito.

Na Allo, esse tipo de transação é detectada por nossas tecnologias, políticas e equipes de risco, possibilitando bloqueios e estornos, caso nossa apuração aponte nesse sentido. Você pode conferir nosso contrato de credenciamento para entender nossa conduta em relação ao tema.

Posso passar o cartão de parentes na minha máquina de cartão?

A venda a parentes ou partes relacionadas não é proibida. Você pode, sim, vender seus produtos ou serviços para pessoas da família, desde que seja de fato uma operação comercial (venda de um produto ou serviço).

Ao saber que não podem realizar transações com o próprio cartão, algumas pessoas utilizam cartões de familiares com finalidade de autofinanciamento. Por conta disso, algumas credenciadoras têm políticas de análise também para transações feitas para parentes.

Sempre pensando na segurança de todos, é comum que a Allo solicite ao cliente documentos que comprovem a legitimidade da operação para o prosseguimento da transação de forma segura e sem restrições.

Por isso, aqui vai uma dica importante:

Emita e guarde documentos que comprovem suas vendas, por exemplo notas fiscais! Assim, tanto seu negócio quanto seu cliente terão mais segurança e tranquilidade de que a compra do produto ou serviço foi reconhecida e legitimada por todas as partes.

Posso fazer empréstimo com a minha máquina de cartão?

Não é permitido realizar empréstimos usando uma máquina de cartão.

Veja por quê:

A operação simula uma venda de produto ou serviço, quando não houve de fato. O Banco Central, órgão responsável por garantir a segurança de todo o sistema financeiro do país, é quem dá a autorização e responsabilização às entidades do setor financeiro que oferecem crédito. Essa prática com a máquina de cartão não passa pelas tributações ou análises de créditos necessárias.

Esse tipo de operação pode refletir em cobranças de comissões indevidas e muito acima da taxa de juros permitida e regulamentada, podendo o responsável, responder por crime de agiotagem.

Vale lembrar que os órgãos e entidades que regulam nosso nicho estão em constantes avanços e aberturas para democratizar o mercado e defender a segurança do dinheiro público e o sistema financeiro. Todo mundo ganha ao dialogar sobre as políticas e normas que mantém a estrutura de pagamentos segura a todos. Conte com a Allo para descomplicar o sistema.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *